← Back Published on

GYRA+ origina mais de R$ 100 mi após união com plataformas de software na modalidade de Embedded Finance

Para 2022, a expectativa de Rodrigo Cabernite, CEO da fintech, é originar cerca de R$ 200 milhões. Potencial anual dentro das plataformas é entre uma e duas vezes o Gross Merchandise Volume (GMV) mensal.

No último ano, a GYRA+, fintech especializada em crédito para Pequenas e Médias Empresas (PMEs), originou mais de R$ 100 milhões em parceria com plataformas como Linx, Vhsys, Olist, entre outras, por meio da oferta de crédito implantada e ofertada diretamente nos dashboards das plataformas parceiras, no modelo de Embedded Finance – uma tecnologia que permite incorporar produtos e serviços financeiros no portfólio de uma empresa ou plataforma que, não necessariamente, atua no setor financeiro.

Para 2022, a expectativa de Rodrigo Cabernite, CEO da fintech, é originar cerca de R$ 200 mi nessa modalidade. A partir da parceria, a GYRA+ consegue acessar os dados financeiros das PMEs de forma mais ampla, o que possibilita o oferecimento de crédito mais seguro, assertivo e com valores maiores. A análise é feita de forma eletrônica, por meio de inteligência artificial, dentro da própria plataforma utilizada no dia a dia da gestão da empresa.

“Os empréstimos variam de R$ 50 a R$ 500 mil e a qualidade do Embedded Credit, comparada ao crédito “mar aberto”, é melhor. Com isso, a taxa ofertada consegue ser mais baixa. Conseguimos ser mais agressivos nas taxas do que quando conhecemos alguém na internet para emprestar dinheiro”, pontuou Cabernite.

Para mensurar melhor a viabilidade de crédito neste formato, o CEO informou que o potencial dentro das plataformas é entre uma e duas vezes o Gross Merchandise Volume (GMV) mensal. Por exemplo, em uma plataforma com GMV mensal de R$ 100 milhões normalmente apresenta um potencial de crédito entre R$ 100 e 200 milhões anuais, quando se trata de capital de giro de médio prazo.

A GYRA+ entrou no mercado de Embedded Finance em janeiro de 2021 devido ao racional econômico, pois com ele o custo de aquisição de novos clientes é consideravelmente mais baixo, já que é possível acessar milhares de pequenas empresas de uma forma mais simples. Agora, com o retorno positivo do investimento, a expectativa é que em 2023 ele corresponda a ⅔ da atividade da fintech.